Adopción del nombre social en los expedientes académicos de la UDESC ha sido relatada en VII Congreso Internacional sobre la Diversidad Sexual y de Género realizado en Brasil

Versión para impresiónEnviar a un amigoVersión PDF
Martes, Mayo 20, 2014

Adopción del  nombre social en los expedientes académicos de la UDESC ha sido relatada en VII Congreso Internacional sobre la Diversidad Sexual y de Género realizado en Brasil

A experiência da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) com a adoção do nome social nos registros acadêmicos foi apresentada no VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero, realizado na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), em Rio Grande (RS), e encerrado na sexta-feira, 9. O assunto foi abordado numa das mesas-redondas do evento pelo estudante Theo Frederico Luna, do curso de Licenciatura em Educação Física da UDESC.


Theo coordenou a mesa-redonda sobre “a identidade social e política dos homens trans no Brasil – perspectivas históricas e crescente visibilidade”, na quinta-feira, 8. Ele falou sobre a Resolução 002/2014  do Conselho Universitário (CONSUNI) da UDESC – que dispõe sobre o uso do nome social – e fez um relato da própria experiência pessoal e do apoio que recebeu da universidade.

Além de aluno da graduação em Educação Física do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID), Theo é membro do Laboratório de Educação e Sexualidade (LabEduSex), ligado ao Centro de Educação à Distância (CEAD) da UDESC e coordenador estadual do Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT).

Também participaram da mesa-redonda os pesquisadores Simone Ávila (Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS), Camilo Braz (Universidade Federal de Goiás – UFG) e Erica Souza (Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG).


Congresso


O congresso científico foi organizado com propostas de simpósios temáticos, pôsteres e relatos de experiências.  As discussões apontaram os diferentes enfoques na articulação do campo da educação com os temas gênero, sexualidade, estudos das diferença e políticas públicas.

Enfatizando o seu caráter científico, o VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura - ABEH, foi organizado com propostas de simpósios temáticos, pôster e relatos de experiências, aprofundando as discussões.

Tendo ainda em sua composição as modalidades de trabalho (ST, comunicação oral, pôster), apontando os diferentes enfoques na articulação do campo da educação com os temas gênero, sexualidade, estudos das diferença e políticas públicas.

Durante os três dias do evento também passaram pelas mesas o Deputado Federal Jean Wyllys (PSOL/RJ),a Profa. Dra. Guacira Lopes Louro (UFRGS), a Prof. Dra. Fátima Lima (UERJ), a Dra. Jimena De Garay Hernández (UERJ/ Fundación Arcoiris/Punto Gênero), e a Profa. Dra. Jaqueline G. de Jesus (UNB/UNIPLAN).

O congresso foi sediado pelos grupos de estudos de Educação e Relações de Gênero (UFRGS), grupo de pesquisa Sexualidade e Escola (FURG), Grupos de pesquisa Nós do Sul (FURG) e Núcleo de Pesquisa de Gênero (Faculdade EST).